A espiral da Fraternidade


A ESPIRAL DA FRATERNIDADE

Rudolf Steiner

Comentários de Leonardo Maia


“O amor fraterno atua por sobreposição: cada pequeno passo é a ampliação da espiral de amor. O Amor Universal é o religare – a sacramentação de toda a Manifestação, a conexão com o divino em nós.”


“As pessoas que trabalham juntas em uma espécie de fraternidade são magos, porque atraem seres superiores ao seu círculo. Quando alguém trabalha em comunidade a partir do amor fraternal, seres superiores efetivamente se manifestam.

Ao entregarmos-nos à fraternidade, esta doação de nós mesmos, este fundirmo-nos em uma totalidade resulta em um fortalecimento de nossos órgãos.

Logo, ao falar ou atuar como membros de tal comunidade, não é o humano individual que atua ou falar em nós, mas o Espírito da comunidade.

Este é o segredo para o progresso da humanidade do futuro, trabalhar através de comunidades.”

Rudolf Steiner – A fraternidade e a luta pela existência

Nota por Leonardo Maia:

Lembrando que o amor fraterno atua por sobreposição:

Do amor egoísta (a mim mesmo) para o amor exclusivo à pequena família/pequeno grupo, para o amor à tribo/nação, para o amor à toda comunidade humana e para o Amor Universal – à toda a Manifestação.

Cada pequeno passo é a ampliação da espiral de amor.

O Amor Universal é o religare – a sacramentação de toda a Manifestação, a conexão com o divino em nós. Lembrando que a Manifestação está além da perspectiva material físico/sensorial.


Sinta se o conteúdo faz sentido para você ou não para compartilhar:


 AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *