A QUARESMA – ANTROPOSOFIA

ORÁCULO DA SENDA DO CONHECIMENTO – clique aqui


A QUARESMA – ANTROPOSOFIA

Marcelo Guerra

Fonte: sandralage.blogspot.com


“A Quaresma nos convida à superação dos impulsos inconscientes através do fortalecimento da Vontade em direção à ação consciente do EU.”

Leonardo Maia


O cristianismo reserva 40 dias do ano para a preparação para a Páscoa, e chama esse período de Quaresma. Estes 40 dias simbolizam os 40 dias que Cristo passou meditando e orando no deserto. É um período de recolhimento e antigamente de jejum e penitência. Hoje passa geralmente despercebido no nosso calendário. Porém, a quaresma pode ser um tempo de reflexão e de transformações na sua vida.

Nosso psiquismo encontra expressão pelo pensamento, pelo sentimento e pela vontade que gera ação. O equilíbrio entre o pensar, o sentir e o agir conduz a uma vida psiquicamente harmoniosa, onde a depressão e a ansiedade não encontram refúgio. Os três estão interligados e influenciam-se mutuamente. Quando modificamos nosso pensar, pela meditação, por exemplo, passamos a sentir de uma maneira diferente e percebemos a sutileza de nossos sentimentos. E nossas ações também sofrem alterações, com essa mudança que começou no pensar.

Quando tomamos mais consciência de nossos sentimentos, percebemos o quanto eles mexem com nossos pensamentos e nos fazem agir como escravos de emoções que nos tomam, e conseguimos ter maior controle sobre a reação que os sentimentos nos causam.

Dos três, o agir é geralmente o mais prejudicado nos nossos dias de excesso de informações e compromissos, em que a imagem que exibimos nas redes sociais é muito mais importante do que a essência daquilo que somos. O que mais fazemos é reagir a algo que nos é solicitado, e é com muita dificuldade que conseguimos colocar a força de nossa vontade numa ação voluntária.

Por isso, a oportunidade de exercer nossa vontade de forma voluntária por 40 dias pode trazer grandes (ou ainda que sejam pequenas) transformações ao nosso pensar e ao nosso sentir. Dominar a própria vontade, através da renúncia a algo que lhe é caro é um exercício de fortalecimento da própria vontade.

Ano passado, minha filha de quinze anos abdicou de comer chocolate durante a quaresma, simplesmente como um treinamento da própria vontade. Foi impressionante como todos lhe ofereciam chocolates e ela recusava. Percebi depois disso como ela organizou-se de maneira disciplinada para estudar e como tem se dedicado às metas que ela mesma se propõe em relação ao seu desempenho na escola.

Esta mudança no agir pode levar à mudança de como percebemos nossos sentimentos e de como pensamos, e é um recurso que está ao alcance de qualquer um de nós, basta agir.

Por Marcelo Guerra

Agora, as interações e discussões os temas trazidos acontecerão no Grupo e no Canal da Biblioteca no Telegram – participe:

GRUPO: https://t.me/biblioteca_da_antroposofia

CANAL: https://t.me/bibliotecaantroposofia


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


FAÇA UM PIX E AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Chave Pix – CPF: 026.322.796-07
Titular: Leonardo André Fonseca Maia




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *