A vocação Social da Pedagogia Waldorf: Amor Universal


A VOCAÇÃO SOCIAL DA PEDAGOGIA WALDORF: AMOR UNIVERSAL

Renate Keller Ignácio

Fonte: FEWB – Federação das Escolas Waldorf do Brasil


O impacto das minhas ações deve ser positivo para mim, para o outro e para o mundo. O pensar, unido ao amor universal, faz do jovem um ser idealista e revolucionário. O jovem que pode aprender e atuar partindo do amor universal terá, quando adulto, condições de atuar na vida econômica com fraternidade. Ele terá interesse em satisfazer as necessidades dos outros e do mundo tanto quanto as de si próprio: AMOR UNIVERSAL.


Rudolf Steiner mostra como o desenvolvimento da criança, até a idade adulta, se dá em períodos de sete anos, que terminam com:

1º setênio —> troca de dentes (7 anos)
2º setênio —> amadurecimento terreno (14 anos)
3º setênio —> maioridade (21 anos)

1º SETÊNIO:

Desenvolve-se o sistema neurossensorial; a criança se encontra numa consciência de sono. Imitação: a criança é um grande órgão sensorial. O educador atua por meio do exemplo, do gesto, do fazer. Brincando, a criança imita o trabalho e as atitudes do adulto. Cultivo da confiança: “O mundo é bom.”

A pessoa que pode viver plenamente na imitação, no primeiro setênio, terá condições para atuar com liberdade na vida cultural, quando adulta. O que quer dizer atuar com liberdade na vida cultural? Aprender sempre, desenvolver todas as suas capacidades; estudar as leis naturais e sociais para tomar as decisões certas e assumir a responsabilidade por elas; ter coragem para apresentar seus pontos de vista; reconhecer a liberdade do outro. Na imitação, ela vivencia isto inconscientemente.

2º SETÊNIO:

A criança pode agora aprender baseada na memória. As forças musicais plasmadoras desenvolvem seu sistema rítmico. A criança vivencia o mundo por meio do sentir, que necessita da presença de uma autoridade amada como seu norte.

O professor-artista apresenta o mundo à criança de forma bela, subjetiva, cheia de sentido.

O ser humano que no segundo setênio pode reverenciar uma autoridade amada terá condições, quando adulta, de reconhecer o outro como ser igual, apesar das diferenças. Ela atuará na vida jurídica baseada nessa concepção.

A vivência da autoridade amada fortalece a alma da criança. É esta a força de que precisamos quando adultos para não ter medo do diferente e reconhecer, atrás do aspecto dos “diferentes‟, o cerne espiritual que existe em todos.

3º SETÊNIO:

O jovem desenvolve o sistema metabólico/motor, do qual faz parte o amadurecimento sexual/terreno. O surgimento do amor pelo sexo oposto é somente uma parte do amor universal/terreno em desenvolvimento. Ele leva o jovem à possibilidade de estudar as leis da natureza, do homem e da sociedade. Ele desenvolve o pensar. Esse pensar, unido ao amor universal, faz do jovem um ser idealista e revolucionário. O jovem que pode aprender e atuar partindo do amor universal terá, quando adulto, condições de atuar na vida econômica com fraternidade. Ele terá interesse em satisfazer as necessidades dos outros com seu trabalho. Isto lhe fornecerá a resposta às perguntas: “Para quê eu vim a este mundo? O que influencia a escolha da profissão?”

Assim, aos poucos ele encontrará seu caminho pessoal de vida.


Sinta se o conteúdo faz sentido para você ou não para compartilhar:


 AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *