Ahriman na cultura


The Advent of Ahriman – parte 6:

AHRIMAN NA CULTURA

Robert S. Mason

Tradução Livre: Leonardo Maia

Fonte: http://www.anthroposophie.net/Ahriman/ahriman_old.htm

 


“Ahriman: a subjugação de todos os interesses vivos e humanos ao mecanismo desumano e impessoal de busca de lucros ou ao poder econômico e político – ambos se situando acima da vida e dignidade humanas.”


Na esfera sociocultural, a influência de Ahriman é aparente em toda parte, especialmente forte e crescendo cada vez mais ao longo do século XX. As principais tendências arimânicas são:

– Nacionalismo antagônico baseado na etnia. O nacionalismo folclórico moderado era um princípio progressista no passado, mas o nacionalismo étnico de hoje é retrógrado e destrutivo.

– Política partidária dogmática, gerando ódio e hostilidade decorrente da recusa em ver outros pontos de vista igualmente válidos (ou inválidos).

– A subjugação da vida cultural ao poder político e econômico – por exemplo, medicina, educação, pesquisa, jurisprudência criminal.

– A mecanização do estado político, vinculada por leis rígidas em todos os lugares, com pouco espaço para a livre iniciativa humana.

– Na vida cotidiana: filistinismo (costumes, hábitos e caráter, ou o modo de pensar que se manifesta como uma atitude anti-intelectual, que socialmente subestima e despreza a arte, o belo, o intelecto e a espiritualidade), tédio e alienação, falta de interesse no trabalho de alguém, mesmo no trabalho intelectual (Ahriman quer que o conhecimento seja desprovido de interesse e conexão humanos calorosos, seja armazenado em bibliotecas e não viva na alma humana.)

– Na medicina: experimentalismo e tratamento materialista, mecanicista (e atroz), sem entender a individualidade do ser humano vivo.

– Nas ciências sociais: aceitação cega das estatísticas e a crença de que a satisfação das necessidades econômicas por si só garantirá o bem-estar humano.

– Na economia: a subjugação de todos os interesses vivos e humanos ao mecanismo desumano e impessoal de busca de lucros, à “pessoa artificial” da corporação (nos EUA, alcançou tal estado que a influência humanizadora do movimento trabalhista está sendo obliterada, e as exigências de “ganhar a vida”, juntamente com outras tendências arimanianas destrutivas, estão destruindo a família humana – isso no chamado “país mais rico do mundo”. Uma perspicaz sabedoria popular americana cunhou a frase “o Todo-Poderoso Dólar”. O “mammon” ahrimânico é arquetipicamente o deus do “lucro imundo” e do poder do dinheiro sobre a vida, bem como de todas as forças baixas e escuras ; seus anfitriões também atacam o corpo e a alma humanos para corrompê-los e destruí-los.)

– Na religião cristã: interpretação estreita e simplista dos Evangelhos, sem apreciação pela sabedoria oculta necessária para uma abordagem dos profundos mistérios do Ser Cristo.

– Na literatura: livros inspirados diretamente por Ahriman, obras de grande inteligência que promovem os objetivos de Ahriman.

– Na técnica: desenvolvimentos muito refinados, mas direcionados apenas para satisfazer as necessidades animais, promovendo a imersão humana no mundo dos sentidos, com a exclusão do supersensível.

– Na visão de mundo: humanos como animais, animais e todos os outros seres vivos como mecanismos, a inexistência de alma e espírito e a inexistência de realidade moral: amoralismo.

Obviamente, esses impulsos estão descontrolados no mundo, mais que em todos os tempos. Eles estão, de fato, se aproximando de um clímax; são preparativos para a encarnação do próprio Ahriman em um corpo humano.

Robert S. Mason

Atenção: Texto publicado em 1997 (3º ano do governo de 8 anos de Fernando Henrique Cardoso) em cima das colocações de Rudolf Steiner, falecido em 1925.

NOTA DE LEONARDO MAIA:

Pontos importantes a serem considerados:

A previsão do Advento de Ahriman por Steiner é para o momento atual (chegou a mencionar o clímax entre 2018 e 2022).

Perceba o impulso nacionalista etnista tomando conta de vários países, inclusive aqui no Brasil (Brasil acima de todos/ os patriotas), ódio a imigrantes e um racismo crescente e explícito.

O ódio alimentado pelos grupos políticos no poder, tanto através de fake news quanto por interpretações dogmáticas recusando qualquer ponto de vista diferente e pejorando-os (tudo “comunista”, o famoso chavão atual).

Áreas como medicina, educação, pesquisa, cultura/arte entre outros sendo subjugado pelos poderes político e econômico – vide os sucessivos cortes nos fundos de desenvolvimento.

Mecanização do estado político e pouco espaço para a livre iniciativa: basta ver o ataque por meio de militares/tropas de choque a qualquer manifestação contrária aos objetivos dos grupos políticos e econômicos, mesmo que tais manifestações sejam garantidas por Lei. O que mostra a degradação do pensar a realidade viva, pois o “Estado Mínimo” é militarizado e inquisidor para os deveres e se impõe mesmo acima das Leis e direitos previstos em Constituição cerceando a liberdade, sob a justificativa que é para salvar a “nação” do próprio Estado, vinculando essa percepção de Estado aquele do Comunismo/Socialismo que toma os bens e subjuga a sociedade, que degrada os valores morais e tira a liberdade que iria ser imposto caso não haja uma ação imponente contra ele (senão vamos virar uma Cuba ou Venezuela).

Costumes, hábitos e caráter, e modo de pensar manifestado-se com atitudes anti-intelectuais, desprezo pela a arte, pelo intelecto e pela espiritualidade (inclusive através da tentativa de imposição do dogma religioso neopentecostal na esfera política), alienação (vide fake news constantes como kit-gay, financiamento de ditaduras pelo BNDS e etc…), falta de interesse pelo próximo, desumanidade e agressividade (basta passar por algumas páginas e perfis nas redes sociais e ler os comentários: agressividade, ironia e incitação ao ódio constantes, além de apoio a ações de violência aos opositores).

A subjugação de todos os interesses vivos e humanos ao mecanismo desumano e impessoal de busca de lucros ou ao poder econômico e político – ambos se situando acima da vida e dignidade humanas (pelo menos a bolsa subiu, temos que fazer um sacrifício em prol da economia).

Na religião cristã – interpretação estreita e simplista dos Evangelhos, sem apreciação pela sabedoria oculta necessária para uma abordagem dos profundos mistérios do Ser Cristo. Basta perceber o movimento evangélico neopentecostal atual tomando conta das mídias e do governo tentando impor uma visão cristã dogmática e manipulada promovendo ódio, desrespeito e extorsão (onde qualquer pessoa sensata percebe as incoerências e absurdos).

Além do crescimento da visão materialista do ser humano, como mero ser físico, e da subjugação dos outros reinos como meros mecanismos: políticas que fomentam a devastação da natureza e extinção em massa de espécies no Sec XX e XI. A Terra como um mero pedaço de pedra flutuante no espaço (ou prato – terraplanismo), sem a concepção da Terra como ser Vivo – Gaia.

“O materialismo lançou o homem a tal profundidade que é necessária uma poderosa concentração de forças para elevá-lo novamente. Ele está sujeito a doenças do sistema nervoso, que são verdadeiras epidemias da vida da alma.” – Rudolf Steiner

por Leonardo Maia

CONTINUA PARTE 7 em breve: “O bem e o mal”

Link para a parte 1:

ESPÍRITO E ALMA

Link para a parte 2:

Seres espirituais e evolução terrena

Link para a parte 3:

SERES ESPIRITUAIS: LÚCIFER E AHRIMAN

Link para a parte 4:

AHRIMAN NOS TEMPOS MODERNOS

Link para a parte 5:

A Degradação da Linguagem


Sinta se o conteúdo faz sentido para você ou não para compartilhar:


 AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *