Apanhando para aprender


APANHANDO PARA APRENDER

Nelson Cadena

Fonte: IBahia Blogs


“Deve haver rigor, severidade. E vou dar um passo a mais, e talvez algumas mães fiquem com raiva de mim, desculpem: deve sentir dor.”

Milton Ribeiro – Pastor Evangélico e novo Ministro da Educação do Governo Bolsonaro


Mais uma vez, quero deixar claro a Biblioteca não apoia nenhum tipo de violência e agressões física ou morais na educação e continuo afirmando, que na minha opinião, essa agenda ideológica do governo Bolsonaro – algo como um “Militarismo neopentecostal liberal” vai contra os preceitos indicados pela Antroposofia e, na pasta da educação, desde seu início, contra os preceitos da Pedagogia Waldorf.

E, devido a solicitações das Instituições, quero colocar que minha opinião não reflete necessariamente posições da Antroposofia, das instituições antroposóficas e da Sociedade Antroposófica no Brasil ou a Geral.

Porém, se faz necessária a reflexão sincera e pensamento vivo para observação do caminho indicado pela Antroposofia: o posicionamento pessoal, escolhas de representação e sua coerência com o caminho interior – com o pensar, o sentir e a ação no mundo. Este é um aspecto essencial do caminho interior indicado por Steiner para professores e antropósofos em geral, que, na minha opinião, está sendo obscurecido hoje: “Vivo aquilo que acredito?”

“Apanhei e não morri… Não morreu, mas acha natural a violência e enxerga nela uma forma de educar.”

Leonardo Maia

Segue um texto no blog IBahia Blogs de Nelson Cadena chamado Apanhando para aprender:

APANHANDO PARA APRENDER

Os castigos corporais com palmatórias e outros instrumentos nas escolas baianas

No século XIX o aluno de mau comportamento, ou com dificuldade de aprendizagem, apanhava. Era um traço cultural arraigado na sociedade baiana, como em todo o país, admitido sem ressalvas pelos próprios pais de família. O jornal Correio Mercantil em edição de 20 de fevereiro de 1839 explicava que pais de família solicitavam aos professores “o toque de bolos” para seus filhos e recomendavam “o surre”. Outros, ao contrário, pediam menor rigor nos castigos. O castigo corporal aos alunos não era exclusividade das escolas, mas, pratica que vinha de casa. Uma caderneta com notas baixas resultava numa surra, as vezes com requintes de violência, uso de chicote de couro, inclusive. Uma Lei Imperial de 1827 proibiu os castigos corporais, mas não vingou na prática. Alguns pais de família consideraram a lei inapropriada e abusiva.

A chamada palmatória era o método mais usual de castigo para crianças. Consistia em bater na mão com uma regra de madeira de lei, longa e grossa ; deixava os dedos vermelhos e doloridos por um bom tempo. Os “educadores” recomendavam que deveria ser na palma da mão esquerda e não mais do que dois ou três batidas, porém, professores mais exaltados batiam nas duas mãos. Era a mais leve das punições. Outros castigos consistiam em bater com cipó grosso trançado, nas pernas ou nas costas, muito praticado na Bahia. A palmatória com férula era a mais dolorosa, usava um objeto circular (ou retangular) de madeira que o professor segurava através de uma haste.

O Barão de Macahubas, Dr. Abílio César Borges, educador baiano reconhecido como um dos luminares de seu século na sua área de atuação, escreveu em 1876 um texto intitulado “Vinte anos de propaganda contra o emprego da palmatoria e outros meios aviltantes no ensino da mocidade”. Defendia a extinção definitiva dos castigos corporais em sala de aula e destacava que “a férula, em vez de auxílio, é antes um obstáculo ao desenvolvimento”. Pregava no deserto e no seu colégio esta regra teve pelo menos uma exceção documentada. As palmatórias continuaram por mais sete, oito décadas, com menor incidência e violência no século XX. E sem a mesma complacência dos pais.

Um dos castigos mais chocantes era o da prisão no xadrez da escola, para os alunos internos. Equivalia a uma solitária. No século XX os castigos corporais já incluíam outros procedimentos: o bufete, que consistia num tapa na cara; o puxão de orelha com força capaz de provocar danos da cartilagem; a palmatoria com vara e o chamado belisco de freira, com a ponta dos dedos e unha crescida. Os colégios de religiosos implementavam o ajoelhamento. O aluno ajoelhava-se no milho, no sal grosso, no tijolo, por tempo suficiente até o joelho se ferir, as vezes sangrar.

Praticavam-se ainda os castigos considerados mais amenos, de efeito moral: subir num banco e ficar horas na mesma posição; ficar em pé num canto da sala, olhando a parede; usar orelhas de burro; ficar sem comer no recreio; escrever uma frase um milhar de vezes num caderno, “dever” para ser feito no colégio, ou, em casa. Reter o aluno por uma ou duas horas a mais na sala, era outra forma de punição. Os pais iam buscar no horário informado pela escola. Punição moral, não menos humilhante, era repetir perante os colegas frases em voz alta dando conta de sua burrice ou mau comportamento.

Por incrível que pareça muitas destas práticas permaneceram em alguns estabelecimentos, em especial nos internatos, até a década de 1960 e mais do que isso. As leis eram letra morta. De nada valeram as de 1827 que condenava os suplícios do corpo; a de 1854 (Couto Ferraz) que substituiu os castigos físicos pelos morais e outras tantas no século XX cujo efeito prático foi apenas intimatório, não coibia a ação de “educadores” que “educavam” do jeito que foram “educados”.

Nelson Cadena


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


 AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *