Escolha o seu lado


ESCOLHA O SEU LADO

Leonardo Maia


Temos dois lados bem postados: um lado da humanidade e solidariedade e outro da intriga, individualismo e indiferença.
Um deles leva a dignidade e evolução do ser humano. Escolha o seu…


Rudolf Steiner nos trouxe que a ciência, a educação e cultura são essenciais para o desenvolvimento da consciência humana.

Trouxe também que o valor humano, a dignidade e a cooperação fraternal são as guias para as relações sociais e desenvolvimento da percepção de humanidade: a superação do egoísmo em direção ao altruísmo, onde o Eu Superior se identifica no outro.

O pensamento materialista não pode estar acima do bem estar social onde a economia subjuga todos os interesses vivos e humanos ao mecanismo desumano e impessoal de busca de lucros, conquistas de bens materiais e do poder do subjugar do dinheiro: me torno melhor que outro, domino o outro por conta do meu poder econômico.

A Era da Consciência exige uma percepção pontual de cada aspecto da vida e da alma. Nada pode ser generalizado para justificar qualquer hipótese ou alienação: viver sem conhecer ou compreender os fatores sociais, políticos e culturais que o condicionam e os impulsos íntimos que nos levam a agir da maneira que agimos ou aquele que, voluntariamente ou não, se mantém distanciado das realidades que o cercam; alheado.

Portanto, ocultar conscientemente qualquer aspecto da consciência (seja em qualquer contexto – político, social ou cultural) para não expor aspectos específicos individuais ou coletivos é atuação contrária aos Impulsos da Evolução Humana segundo as perspectivas antroposóficas.

O lucro não está acima da vida e a solidariedade é a base do bem estar comum.

“A terra, como o cenário da vida, o campo de trabalho e a evolução da humanidade, pertence, originalmente, a todos por igual; e todos, por igual, são chamados a cooperar fraternalmente para criar, com base no que a natureza oferece, os bens, incluindo os espirituais, para satisfazer as necessidades vitais de todos. Esta missão em comum é cumprida pelo trabalho humano social e fraterno.” – Carlos Adrian Villegas

“Por causa dessa geopolítica que se instalou, proposta pelos economistas e imposta pela mídia, o centro do mundo, hoje, não é o homem, é o dinheiro. Isso abriu espaço para qualquer forma de barbárie pela qual a gente deixa morrer crianças, velhos e adultos tranquilamente.” – Milton Santos

Por isso tudo, coloque a mão na própria consciência, e reflita sobre o caminho que buscas e pregas para o mundo, aquilo que escondes ou apenas se negas a reconhecer em seu íntimo – porém que está exposto a todos em suas colocações, escolhas e argumentos (principalmente nas redes sociais).

Deixo um trecho do um texto de Edgard Morin:

“O vírus está trazendo uma nova crise planetária à crise planetária da humanidade na era da globalização… Devemos pagar, em mais vítimas, pelo sonambulismo generalizado e pela falta de espírito que separa o que está totalmente interligado? E, no entanto, o vírus nos revela o que estava escondido nas mentes compartimentadas que se formavam em nossos sistemas educacionais, mentes que eram dominantes entre as elites tecnoeconômico-financeiras: a complexidade de nosso mundo humano na interdependência e na inter-solidariedade da saúde, econômica, social e de todas as coisas humanas e planetárias. Esta interdependência manifesta-se em inúmeras interacções e feedbacks entre os vários componentes das sociedades e dos indivíduos. Assim, as perturbações econômicas provocadas pela epidemia encorajam a sua própria propagação.

O vírus vem nos dizer, então, que esta interdependência deve dar origem a uma solidariedade humana, que demonstre consciência do nosso destino comum. O vírus também nos revela o que chamei de “ecologia da ação“: a ação não obedece necessariamente à intenção, ela pode ser desviada e até retornar como um bumerangue para atacar quem a desencadeou. É o que prevê o Professor Eric Caumes do hospital Pitié-Salpêtrière: “No final, são as reações políticas a este vírus emergente que conduzirão a uma crise econômica global… com um benefício ecológico”. O último paradoxo da complexidade: o mal econômico pode gerar melhorias ecológicas. A que custo? Em qualquer caso, enquanto nos faz muito mal, o coronavírus nos diz verdades essenciais.”

Temos dois lados bem postados: um lado da humanidade e solidariedade e outro da intriga, individualismo e indiferença. Um deles leva a dignidade e evolução do ser humano. Escolha o seu…

“Nós devemos nos tornar conscientes de uma forma superior de comunidade, fundada na liberdade de amor entre os irmãos e liberdade de pensamento.” – Rudolf Steiner

Leonardo Maia


Sinta se o conteúdo faz sentido para você ou não para compartilhar:


 AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

2 opiniões sobre “Escolha o seu lado”

    1. A sociedade é a base do bem estar comum e nada pode ser generalizado para justificar qualquer hipótese ou alienação… Concordo com Steiner, também quando afirma que devemos nos conscientizar de uma forma superior com fundamento no amor fraternal e na liberdade de pensamento. A questão é: será que já atingimos um estágio espiritual e civilizatório tão elevado? Sim, porque esse é um nível a atingirmos já com a regeneração planetária e a maioria anda não evoluiu a esse ponto. Acho mesmo que as mudanças que vem ocorrendo desde 2012, com tsunames, tremores de terra, guerras localizadas, refugiados e grande mortalidade com vírus e fome são consequências da densidade negativa de nossa psicosfera, para a separação do joio do trigo das escrituras sagradas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *