O ambiente virtual: o perigo da animalização e vegetalização


O AMBIENTE VIRTUAL: O PERIGO DA ANIMALIZAÇÃO E VEGETALIZAÇÃO

Daniel Pestana Mota


“É paradoxal, mas o avanço da tecnologia que o homem comemora o faz descer muitos degraus no plano da evolução de sua própria espécie. Muitas pessoas animalizam-se, outras vegetalizam-se. Processo de retorno à Antiga Lua na visão esotérica. “


Não existe discussão séria, e que possa ser feita com respeito e densidade, no ambiente virtual. Aliás, após o salto digital custo a crer que quaisquer discussões, mesmo as presenciais, possam, hoje, levar a algum lugar. Pelo menos para a minha geração e as anteriores! O que fazer? Silenciar? Abster -se? Estamos diante da maior crise de todos os tempos, o déficit de ambientes minimamente dialógicos e construtivos!

Os defensores do caos e os que com ele se movimentam são os únicos beneficiários. Estes encontraram, no espaço fluido das redes sociais, o combustível que permite, com relativizações baratas, ganhar corpos e corações dos que já não apresentavam condições de exercer um pensar reflexivo.

É paradoxal, mas o avanço da tecnologia que o homem comemora o faz descer muitos degraus no plano da evolução de sua própria espécie. Muitas pessoas animalizam-se, outras vegetalizam-se. Obviamente que muitas outras percebem este estado caótico de coisas, mas esbarra-se nas paixoes, paixões, de toda ordem, que impedem cada tentativa de recomeço. Sequer sabemos se é mesmo do começo que devemos partir.

Talvez as novas gerações, e apenas elas, consigam fazer algo promissor nesse terreno de modo a deixá-lo, de novo, fértil como um dia foi.

Daniel Pestana Mota


APOIE ESTE TRABALHO:


Sinta se o conteúdo faz sentido para você ou não para compartilhar:

Uma opinião sobre “O ambiente virtual: o perigo da animalização e vegetalização”

  1. Eu gostei da reflexão do autor, no entanto penso que existe um papel educativo a ser cumprido, pois na escola transitam as novas gerações conectadas. É preciso ensinar a gestão do conhecimento, a navegação ética e segura na Internet, a autoproteção nas redes sociais, entre outros aspectos.
    É um assunto que provoca amplo debate, sem sombra de dúvida, mas ignorá-lo não melhorará o caos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *