APREENSÃO ESTÉTICA DO MUNDO X EROTISMO

ORÁCULO DA SENDA DO CONHECIMENTO – clique aqui


APREENSÃO ESTÉTICA DO MUNDO X EROTISMO

Rudolf Steiner – GA 302


“Sensações do belo, e o posicionamento estético frente ao mundo, são aquilo que reduz o erotismo à medida própria. Ao sentir que o mundo é belo, o ser humano chega sempre a se postar de um modo livre perante seu próprio corpo, a não ser tiranizado por ele, que é no que constitui na verdade o erotismo.”

Rudolf Steiner


Durante todo o tempo em que lecionamos precisamos atentar para que as crianças recebam sensações, em primeiro lugar de natureza religiosa-moral – isso é algo de que já tratamos várias vezes – como também determinadas sensações e ideias que se referem ao belo, ao artístico, à apreensão estética do mundo. E nos 13, 14 e 15 anos de vida se torna especialmente importante que tenhamos estimulado no jovem tais sensações e ideias durante todo o seu período escolar.

Porque um jovem em que não foi estimulada nenhuma sensação de beleza, que não foi educado para uma apreensão estética do mundo, na idade em questão tornar-se-á sensual e talvez até erótico. Para se reduzir o erotismo até a medida certa, não existe recurso melhor do que um desenvolvimento sadio do sentido estético para com o nobre e o belo na natureza. Se vocês conduzirem os jovens a vivenciarem a beleza e o fulgor do nascer e do pôr do Sol, a vivenciarem a beleza das flores, se os levarem a sentir a grandiosidade de uma tempestade – em suma, se vocês desenvolverem o sentido estético, então vocês farão muito mais do que se faz com a educação sexual, às vezes levada ao absurdo, que hoje em dia se pretende dar o mais cedo possível às crianças.

Sensações do belo, e o posicionamento estético frente ao mundo, são aquilo que reduz o erotismo à medida própria. Ao sentir que o mundo é belo, o ser humano chega sempre a se postar de um modo livre perante seu próprio corpo, a não ser tiranizado por ele, que é no que constitui na verdade o erotismo.

Rudolf Steiner GA 302


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


FAÇA UM PIX E AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Chave Pix – CPF: 026.322.796-07
Titular: Leonardo André Fonseca Maia




SORATH – UM DESAFIO AOS INICIADOS

ORÁCULO DA SENDA DO CONHECIMENTO – clique aqui


SORATH – UM DESAFIO AOS INICIADOS

Judith von Halle


“Cada pessoa que adentra a Senda do Conhecimento através das camadas interiores da Terra deve estar preparada para enfrentar não apenas os dois Poderes adversários polares, mas também outro poder obscuro.”

Rudolf Steiner


Rudolf Steiner falou relativamente pouco sobre Sorath. Parte dessa reticência provavelmente se relaciona ao “fato” de que Sorath só reapareceu no plano terrestre em 1998. Relacionada a essa cronologia está a noção de que Sorath foi “exilado” para camadas da terra “interna” (após o Gólgota), que, esotericamente falando, é um assunto extremamente complexo e difícil, que Steiner relutava até em discutir.

Steiner identificou “camadas” do interior da terra que correspondem aos estágios de iniciação, mas os estudantes de Antroposofia costumam criticar as descrições de Steiner a esse respeito.

“Cada pessoa que segue a Senda do Conhecimento através das camadas do interior da Terra deve estar preparada para enfrentar não apenas os dois Poderes adversários polares, mas também outro poder obscuro.”

Rudolf Steiner falou raramente sobre este poder, em contraste com seus comentários sobre Lúcifer e Ahriman. Sem dúvida, uma das razões para isso é que Steiner passou a maior parte de sua vida desenvolvendo um novo modo de pensar humano e instruindo as pessoas sobre isso, estimulando nelas uma nova visão de mundo sustentada pela realidade. Esta cosmovisão está liberta de um materialismo sempre crescente que extingue nossa relação com as causas espirituais nas condições terrenas.

Em um momento em que a atenção das pessoas tinha que ser atraída para a existência da Dualidade de Lúcifer e Ahriman, é provável que não teria sido muito útil falar em muitos detalhes sobre esses poderes abrangendo a Dualidade… a maioria das pessoas a quem ele falava dessa entidade, achou o tema demasiado para contemplar… De uma certa perspectiva é uma postura, inteiramente compreensível, de preferir abrir-se para os aspectos agradáveis em vez dos desagradáveis do mundo.

Aqueles que começam a estudar provisoriamente aquele terceiro poder das Trevas – algo tão necessário hoje – podem muitas vezes ser considerados pessimistas ou mesmo, no pior dos casos, diagnosticados como tendo uma afinidade particular com o mal. ”

Judith von Halle

Tradução Livre: Leonardo Maia


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


FAÇA UM PIX E AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Chave Pix – CPF: 026.322.796-07
Titular: Leonardo André Fonseca Maia




A QUARESMA – ANTROPOSOFIA

ORÁCULO DA SENDA DO CONHECIMENTO – clique aqui


A QUARESMA – ANTROPOSOFIA

Marcelo Guerra

Fonte: sandralage.blogspot.com


“A Quaresma nos convida à superação dos impulsos inconscientes através do fortalecimento da Vontade em direção à ação consciente do EU.”

Leonardo Maia


O cristianismo reserva 40 dias do ano para a preparação para a Páscoa, e chama esse período de Quaresma. Estes 40 dias simbolizam os 40 dias que Cristo passou meditando e orando no deserto. É um período de recolhimento e antigamente de jejum e penitência. Hoje passa geralmente despercebido no nosso calendário. Porém, a quaresma pode ser um tempo de reflexão e de transformações na sua vida.

Nosso psiquismo encontra expressão pelo pensamento, pelo sentimento e pela vontade que gera ação. O equilíbrio entre o pensar, o sentir e o agir conduz a uma vida psiquicamente harmoniosa, onde a depressão e a ansiedade não encontram refúgio. Os três estão interligados e influenciam-se mutuamente. Quando modificamos nosso pensar, pela meditação, por exemplo, passamos a sentir de uma maneira diferente e percebemos a sutileza de nossos sentimentos. E nossas ações também sofrem alterações, com essa mudança que começou no pensar.

Quando tomamos mais consciência de nossos sentimentos, percebemos o quanto eles mexem com nossos pensamentos e nos fazem agir como escravos de emoções que nos tomam, e conseguimos ter maior controle sobre a reação que os sentimentos nos causam.

Dos três, o agir é geralmente o mais prejudicado nos nossos dias de excesso de informações e compromissos, em que a imagem que exibimos nas redes sociais é muito mais importante do que a essência daquilo que somos. O que mais fazemos é reagir a algo que nos é solicitado, e é com muita dificuldade que conseguimos colocar a força de nossa vontade numa ação voluntária.

Por isso, a oportunidade de exercer nossa vontade de forma voluntária por 40 dias pode trazer grandes (ou ainda que sejam pequenas) transformações ao nosso pensar e ao nosso sentir. Dominar a própria vontade, através da renúncia a algo que lhe é caro é um exercício de fortalecimento da própria vontade.

Ano passado, minha filha de quinze anos abdicou de comer chocolate durante a quaresma, simplesmente como um treinamento da própria vontade. Foi impressionante como todos lhe ofereciam chocolates e ela recusava. Percebi depois disso como ela organizou-se de maneira disciplinada para estudar e como tem se dedicado às metas que ela mesma se propõe em relação ao seu desempenho na escola.

Esta mudança no agir pode levar à mudança de como percebemos nossos sentimentos e de como pensamos, e é um recurso que está ao alcance de qualquer um de nós, basta agir.

Por Marcelo Guerra

Agora, as interações e discussões os temas trazidos acontecerão no Grupo e no Canal da Biblioteca no Telegram – participe:

GRUPO: https://t.me/biblioteca_da_antroposofia

CANAL: https://t.me/bibliotecaantroposofia


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


FAÇA UM PIX E AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Chave Pix – CPF: 026.322.796-07
Titular: Leonardo André Fonseca Maia




IGUALDADE DE DIREITOS – A MULHER E AS INCLINAÇÕES INDIVIDUAIS

ORÁCULO DA SENDA DO CONHECIMENTO – clique aqui


IGUALDADE DE DIREITOS – A MULHER E AS INCLINAÇÕES INDIVIDUAIS

Rudolf Steiner – GA 04


“O que a mulher pode querer de acordo com a sua disposição natural, tem que ser decidido por ela.”

Rudolf Steiner – GA 04


Os mais arraigados preconceitos são referentes ao sexo. O homem vê na mulher e a mulher no homem, quase sempre, demais do caráter genérico do sexo e muito pouco da individualidade.

Na vida prática, isso prejudica menos os homens que as mulheres. A posição social da mulher é geralmente tão indigna, porque depende demais de preconceitos referente às pretensas tarefas e necessidades naturais da mulher e muito pouco do caráter individual. As atividades do homem baseiam-se em suas faculdades e inclinações individuais, as da mulher devem ser exclusivamente julgadas pelo fato de ela ser mulher. A mulher deve ser, segundo essa visão, escrava do caráter genérico, ou do feminino em geral. Enquanto os homens continuarem debatendo se a mulher serve ou não, em função de sua disposição natural, para esta ou aquela profissão, o problema de igualdade da mulher não vai progredir.

O que a mulher pode querer de acordo com a sua disposição natural, tem que ser decidido por ela. Se fosse verdade que as mulheres só servem para as profissões atualmente exercidas por elas, então dificilmente conseguiriam exercer outras por força própria. Porém elas devem decidir livremente o que lhes convém, segundo a sua natureza. Quem teme o abalo da ordem social em virtude de se atribuir à mulher direitos individuais, não entende que uma ordem social na qual a metade leva uma vida indigna precisa, sim, e muito, de melhoramentos.

Rudolf Steiner – GA 04

Agora, as interações e discussões os temas trazidos acontecerão no Grupo e no Canal da Biblioteca no Telegram – participe:

GRUPO: https://t.me/biblioteca_da_antroposofia

CANAL: https://t.me/bibliotecaantroposofia


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


FAÇA UM PIX E AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Chave Pix – CPF: 026.322.796-07
Titular: Leonardo André Fonseca Maia




MOVIMENTO OU HIPERATIVIDADE?

ORÁCULO DA SENDA DO CONHECIMENTO – clique aqui


MOVIMENTO OU HIPERATIVIDADE?

Marion Nugnes


“A criança é e precisa de movimento. Faz parte do desenvolvimento natural do ser humano. Em verdade, a obrigatoriedade de ficar horas a fio sentado vai contra a natureza infantil (principalmente nos 7 primeiros anos – 1º setênio) que necessita de estímulos sensoriais para o aprimoramento dos seus sentidos e percepção.”

Leonardo Maia


Gillian é uma garota de sete anos e não consegue ficar sentada na escola. Ele se levanta constantemente, se distrai, voa com os pensamentos e não segue as lições.

Seus professores se preocupam, castigam, gritam com ela, recompensam as poucas vezes que ela é cuidadosa mas nada, Gillian não sabe ficar sentada e não consegue tomar cuidado. Quando ela chega em casa, a mãe também a castiga. A mãe acha que ela não pode fingir nada com o comportamento da menina.

E assim Gillian não só pega votos e punição todos os dias na escola, mas também pega em casa, como se já não fosse um castigo e humilhação o mau voto e a gritaria diante de todos os colegas ′′bravos”.

Um dia a Mãe da Gillian é chamada para a escola. A senhora, triste como quem espera notícias ruins, pega a menina pela mão e vai para a escola, para a sala de entrevistas. Professores falam sobre doença, um distúrbio evidente da menina. Ainda não existe hiperatividade senão talvez alguém tivesse dado um medicamento para a pequena Gillian.

Na entrevista, aparece um antigo professor que conhece a menina e sua história. Solicita a todos os adultos, mãe e colegas, que o sigam até um quarto de onde ainda se possa ver a menina. Indo embora diz à menina que tem paciência que eles vão voltar logo e liga-lhe um rádio velho com música de fundo. Como a menina está sozinha na sala imediatamente levanta-se e começa a mover-se para cima e para baixo perseguindo com os pés e coração a música no ar. O velho professor sorri e enquanto as colegas e a mãe o olham entre o perplexo e o compassivo, como muitas vezes se faz com os velhos, ele exclama:

“Veja a Gillian não está doente, a Gillian é uma bailarina!”.

Aconselha a mãe a matriculá-la em uma aula de dança e às colegas que a façam dançar de vez em quando.

A menina segue sua primeira aula e quando chega em casa a mãe só diz: ′′ São todos iguais a mim, ninguém consegue ficar sentado!”

Em 1981, depois de uma linda carreira de bailarina, depois de abrir sua academia de dança, depois de receber reconhecimento internacional por sua arte Gillian Lynne será a coreógrafa do musical Cats.

Um beijo para todas as crianças diferentes. Desejando-lhes encontrar em seu caminho adultos capazes de os acolher pelo que são e não pelo que lhes falta.

Por Marion Nugnes

Agora, as interações e discussões os temas trazidos acontecerão no Grupo e no Canal da Biblioteca no Telegram – participe:

GRUPO: https://t.me/biblioteca_da_antroposofia

CANAL: https://t.me/bibliotecaantroposofia


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


FAÇA UM PIX E AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Chave Pix – CPF: 026.322.796-07
Titular: Leonardo André Fonseca Maia




A CONSCIÊNCIA DO EU ESPIRITUAL E O PRISMA DO INVÓLUCRO FÍSICO TERRENO

ORÁCULO DA SENDA DO CONHECIMENTO – clique aqui


A CONSCIÊNCIA DO EU ESPIRITUAL E O PRISMA DO INVÓLUCRO FÍSICO TERRENO

Leonardo Maia


Por mais poético e belo que seja afirmar que a criança escolhe os pais, a consciência que faz essa escolha não é a imagem infantil do invólucro físico humano, mas sim do EU espiritual daquela individualidade.


Um aspecto relevante a se considerar sobre reencarnação e carma é a diferenciação da consciência da individualidade e de sua manifestação no veículo físico terreno.

O veículo físico terreno tem influência direta na manifestação da consciência individual que não deve ser diretamente vinculada à real consciência do EU espiritual, a qual se diferencia tanto fora do invólucro físico quanto na diferenciação produzida por invólucros físicos específicos.

Por exemplo: a pessoa nasce com Síndrome de Down. Essa característica influência na manifestação do EU no veículo terreno. Porém, não se deve atrelar tal característica à consciência do EU, por exemplo, no pós morte ou mesmo nas encarnações físicas anteriores e posteriores.

Neste aspecto vale ressaltar a grande influência dos genes, principalmente sob a perspectiva de individuação do EU, ou seja, quanto menos individualizado o EU, mais forte será a influência da carga genética, inclusive na manutenção de memórias nucleares (aquelas que passam de geração para geração).

Outro aspecto relevante a ser considerado é o efeito do próprio processo de desenvolvimento do veículo físico terreno na consciência – o qual tem potente influência em cada fase da vida – nossa consciência na infância se diferencia da consciência da puberdade, da consciência adulta e da consciência do fim da vida (a Biografia – a consciência se manifesta de formas específicas em cada fase da vida).

Aqui fica interessante observar que, por mais poético e belo que seja afirmar que a criança escolhe os pais, a consciência que fez essa escolha não é a imagem infantil do invólucro físico humano, mas sim do EU espiritual daquela individualidade.

Na verdade, o veículo físico terreno é um prisma da consciência real espiritual, o qual possui seu devido propósito e importância.

Leonardo Maia

Agora, as interações e discussões os temas trazidos acontecerão no Grupo e no Canal da Biblioteca no Telegram – participe:

GRUPO: https://t.me/biblioteca_da_antroposofia

CANAL: https://t.me/bibliotecaantroposofia


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


FAÇA UM PIX E AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Chave Pix – CPF: 026.322.796-07
Titular: Leonardo André Fonseca Maia




A IDEIA DE LIBERDADE

ORÁCULO DA SENDA DO CONHECIMENTO – clique aqui


A IDEIA DE LIBERDADE

Oscar González Perez

Tradução livre: Leonardo Maia


“Estamos entrando em uma época na qual existe uma série de traços, que podemos resumir em automatismo e controle, estão conquistando o núcleo de todos os âmbitos que caracterizavam a fisionomia exterior do mundo interior humano, conseguindo algo inédito na história: fazer da diversidade o território da uniformidade.”


“Dado que Steiner considera que a liberdade é uma realidade transversal ao fenômeno humano, sua filosofia visa buscar as condições que tornam possível a liberdade através de todos os estratos que compõem o universo do humano passando pelo mitológico, místico, biológico, artístico, filosófico e, finalmente, ético e social. Operando através de um método indutivo, Steiner analisa os aspectos através dos quais se desenvolveram áreas de liberdade ao longo da história das ideias e crenças da humanidade para, uma vez localizados esses aspectos, deduzir deles os polos básicos através dos quais se desenvolve a liberdade.

Claro que nesta análise da liberdade Rudolf Steiner não parte de uma definição preestabelecida do que ela é, mas sim do que ela não é. O oposto da liberdade é o autoritarismo do uniforme (padronização), e é precisamente o reconhecimento deste inimigo que torna o pensamento de Steiner tão vigente hoje.

Estamos entrando em uma época na qual existe uma série de traços, que podemos resumir em automatismo e controle, estão conquistando o núcleo de todos os âmbitos que caracterizavam a fisionomia exterior do mundo interior humano, conseguindo algo inédito na história: fazer da diversidade o território da uniformidade. Arte, ideias, ciência e religião entraram em uma deriva onde ortodoxia e heterodoxia são retroalimentados para reproduzir um mesmo resultado que possa ser controlado e repetido automaticamente para consumo maciço.”
.
Oscar González Perez – Bipolaridade e liberdade na filosofia de Rudolf Steiner

Tradução livre: Leonardo Maia

Agora, as interações e discussões os temas trazidos acontecerão no Grupo e no Canal da Biblioteca no Telegram – participe:

GRUPO: https://t.me/biblioteca_da_antroposofia

CANAL: https://t.me/bibliotecaantroposofia


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


FAÇA UM PIX E AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Chave Pix – CPF: 026.322.796-07
Titular: Leonardo André Fonseca Maia




O EFEITO DAS MÁS AÇÕES

ORÁCULO DA SENDA DO CONHECIMENTO – clique aqui


O EFEITO DAS MÁS AÇÕES

Rudolf Steiner – GA 116

Tradução livre: Leonardo Maia


“No momento em que um homem irradia certas emanações espirituais como resultado de uma má ação, ele é rodeado por seres que se alimentam delas.”

Rudolf Steiner – GA 116


O que ocorre então quando um erro é cometido? Alguma coisa é produzida por nós mesmos no mundo espiritual. É uma crença puramente materialista de que um erro pode ocorrer sem que nada ocorra no mundo espiritual; isto produz processos bem definidos ali – efeitos irradiam de nós que, embora invisíveis à percepção dos sentidos, podem ser claramente percebidos pela visão espiritual.

Esses processos espirituais, irradiando de quem cometeu tais erros, fornecem alimento para certos seres espirituais que estão realmente presentes no mundo espiritual. Tais seres não podem se aproximar do homem em todos os momentos; eles só podem fazer isso quando as radiações resultantes de ações más emanam dele.

É exatamente o mesmo que acontece com um cômodo – se estiver bem limpo, nenhuma mosca entrará nele; não há moscas em uma sala perfeitamente limpa; mas se sobra comida ou há sujeira de qualquer tipo, as moscas vêm imediatamente – então, no momento em que um homem irradia certas emanações espirituais como resultado de uma má ação, ele é rodeado por seres que se alimentam delas.

Rudolf Steiner – GA 116

Tradução livre: Leonardo Maia

Agora, as interações e discussões os temas trazidos acontecerão no Grupo e no Canal da Biblioteca no Telegram – participe:

GRUPO: https://t.me/biblioteca_da_antroposofia

CANAL: https://t.me/bibliotecaantroposofia


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


FAÇA UM PIX E AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Chave Pix – CPF: 026.322.796-07
Titular: Leonardo André Fonseca Maia




TEOSOFIA E POLÍTICAS

ORÁCULO DA SENDA DO CONHECIMENTO – clique aqui


TEOSOFIA E POLÍTICAS

trecho de texto da UNITED LODGE OF THEOSOPHISTS

Tradução livre: Leonardo Maia


“Muito do que há de bom e de mal no mundo tem suas raízes no caráter humano. Segue-se, portanto, a necessidade dos homens reconhecerem em seus corações qual é o seu dever para com todos os homens.”


“Buscar reformas políticas antes de efetuarmos uma reforma na natureza humana é como colocar vinho novo em garrafas velhas. Fazei com que os homens sintam e reconheçam no mais profundo íntimo qual é o seu verdadeiro e real dever para com todos os homens, então todo abuso de poder, toda lei injusta da política nacional, baseada no egoísmo humano, social ou político, desaparecerá por si mesma. Tolo é o jardineiro que tenta arrancar as plantas venenosas de seu canteiro de flores, cortando-as da superfície do solo, em vez de arrancá-las pela raiz. Nenhuma reforma política duradoura pode ser alcançada com os mesmos homens egoístas à frente dos negócios como antigamente.” – Helena Blavatsky

Não se deve perder de vista que, embora a Teosofia não tenha nenhum papel a desempenhar na política como tal, é uma filosofia de vida abrangente que repudia estreiteza de todo tipo e pode fornecer a chave para o esclarecimento de todos os problemas, os teosofistas não podem se recusar a observar as questões sociais atuais ou os problemas da política nacional e internacional. Mas as soluções para esses problemas que a Teosofia ofereceria estariam, em muitos casos, quase inteiramente em desacordo com aquelas propostas pelos homens do mundo. Precisa-se de uma busca moral individual para uma atuação moral política.

Muito do que há de bom e de mal no mundo tem suas raízes no caráter humano. Segue-se, portanto, a necessidade dos homens reconhecerem em seus corações qual é o seu dever para com todos os homens.

Trecho de texto publicado na revista da UNITED LODGE OF THEOSOPHISTS

Tradução livre: Leonardo Maia

Agora, as interações e discussões os temas trazidos acontecerão no Grupo e no Canal da Biblioteca no Telegram – participe:

GRUPO: https://t.me/biblioteca_da_antroposofia

CANAL: https://t.me/bibliotecaantroposofia


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


FAÇA UM PIX E AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Chave Pix – CPF: 026.322.796-07
Titular: Leonardo André Fonseca Maia




EXPERIÊNCIAS ESPIRITUAIS CONSCIENTES

ORÁCULO DA SENDA DO CONHECIMENTO – clique aqui


EXPERIÊNCIAS ESPIRITUAIS CONSCIENTES

Rudolf Steiner – GA 177

Tradução livre: Leonardo Maia


“É somente por causa da queda dos espíritos das trevas que, ao invés da inteligência física meramente crítica e da abordagem mediúnica, foi e será cada vez mais possível obter experiências diretas no mundo espiritual: o tipo de experiência espiritual que é utilizada na Ciência Espiritual da Antroposofia.”


“Então aí está o que os espíritos das trevas pretendiam: sagacidade física por um lado, e uma maneira de buscar conexão com o mundo espiritual baseada na consciência reduzida por outro.

É somente por causa da queda desses espíritos das trevas que ao invés de inteligência física meramente crítica e abordagem mediúnica, tem sido e será cada vez mais possível obter experiências diretas e conscientes no mundo espiritual.

Se eles tivessem vencido, viveríamos em um mundo de perspicácia indescritível que se aplicaria a todas as diferentes esferas da vida. As especulações na Bolsa de Valores, às vezes muito estúpidas hoje em dia, teriam sido feitas com incrível perspicácia. Este é um aspecto. Por outro lado, as pessoas em todo o mundo teriam procurado satisfazer suas necessidades espirituais usando médiuns. Portanto, você tem o que os espíritos das trevas pretendiam: perspicácia física por um lado e uma maneira de buscar conexão com o mundo espiritual baseada na consciência reduzida por outro (Lúcifer). Acima de tudo, os espíritos das trevas queriam impedir que as experiências espirituais, a experiência viva do espírito, descessem às almas humanas; isso estava fadado a acontecer gradualmente após sua queda em 1879.

O tipo de experiência espiritual que é utilizada na ciência espiritual da antroposofia teria sido impossível se os espíritos das trevas tivessem sido vitoriosos, pois eles teriam mantido essa vida e atividade nas regiões espirituais. É somente por causa de sua queda que ao invés da inteligência física meramente crítica e da abordagem mediúnica, foi e será cada vez mais possível obter experiências diretas no mundo espiritual.”

Rudolf Steiner – GA 177

Tradução livre: Leonardo Maia

Agora, as interações e discussões os temas trazidos acontecerão no Grupo e no Canal da Biblioteca no Telegram – participe:

GRUPO: https://t.me/biblioteca_da_antroposofia

CANAL: https://t.me/bibliotecaantroposofia


 RECEBA NOSSA NEWSLETTER:


FAÇA UM PIX E AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:

Chave Pix – CPF: 026.322.796-07
Titular: Leonardo André Fonseca Maia




Faça um PIX para a Biblioteca:

Chave PIX - CPF: 026.322.796-07

Titular: Leonardo André Fonseca Maia

 
Holler Box