Quem é o antropósofo?


QUEM É O ANTROPÓSOFO?

Daniel Hindes

Fonte: Palabra de Rudolf Steiner no Facebook

Tradução livre e nota: Leonardo Maia


“A concepção pelo EU e não pelo vislumbre: é o que exige a própria Antroposofia, pois é uma ciência para a Era da Consciência. Trazer a Luz para a manifestação do Espírito Vivo. Qualquer tentativa de desvincular a Ciência Espiritual com a vida real, com os fatos e acontecimentos do agora – que são o reflexo mais puro da manifestação do Espírito no tempo – é a caracterização da Antroposofia morta, estática e cristalizada em conceitos (Ahriman).” 


Quem, exatamente, se qualifica para o rótulo de ‘Antropósofo’? Essa questão pode ser abordada de vários ângulos, e a definição que você escolher dependerá da necessidade de seus motivos. Uma definição ampla poderia definir Antroposofista como alguém que encontra valor no trabalho de Steiner. Mas essa definição é muito ampla, pois incluiria muitas pessoas que poderiam discordar fundamentalmente de Steiner, apesar de, de alguma maneira, encontrar uma pequena parte de seu valioso trabalho.

Da mesma forma, definir como antroposófico quem é consumidor dos resultados práticos das idéias espirituais de Rudolf Steiner também é muito amplo, pois inclui quem compra regularmente Demeter, Weleda ou Dr. Hauschka, além de todos Pais Waldorf e qualquer pessoa que seja tratada em uma clínica antroposófica. Esses consumidores dificilmente podem ser chamados de “seguidores” de Rudolf Steiner. Para mim, um antroposofista é, no mínimo, alguém que estuda ativamente o trabalho de Steiner. Mas mesmo essa não é uma definição completa, pois vários críticos muito hostis possivelmente se encaixam nessa descrição também. Se uma pessoa é ou não um antroposofista, é uma questão de atitude interior em relação ao trabalho de Steiner enquanto o estuda ativamente. Se você sente um tipo de entusiasmo caloroso, faz parte do caminho para encontrar minha definição.

Outra maneira de abordar a questão seria: quem os antropósofos reconheceriam? Aqueles que se qualificam seriam aqueles que geralmente aceitam a maioria dos ensinamentos de Rudolf Steiner, ou pelo menos estão entre aqueles que não rejeitam ativamente partes significativas dele. Isso desqualifica aqueles que escolhem trechos do trabalho de Rudolf Steiner e criam sua própria filosofia de superioridade racial, pois, ao fazê-lo, rejeitam os princípios centrais de Steiner de tolerância racial, nacional, étnica e cultural.

Isso também desqualifica aqueles que passam por uma fase mais curta ou mais longa de suas vidas, na qual são partidários entusiásticos da Antroposofia, apenas para depois rejeitá-la, seja por negligência ou ativamente se voltando contra ela. Pode-se dizer que eles tiveram uma fase antroposófica em suas vidas, mas a descrição ‘Antropósofo’ não pode ser aplicada de maneira justa para descrever sua vida como um todo.

Se limitarmos nossa definição àqueles que demonstraram apoio entusiástico contínuo aos ensinamentos de Antroposofia e Rudolf Steiner, em sua totalidade e não apenas em partes, estaremos nos aproximando de uma definição justa de “Antropósofo”.

Daniel Hindes

Fonte: Palabra de Rudolf Steiner no Facebook

Tradução livre: Leonardo Maia

NOTA de Leonardo Maia:

Eu ainda acrescentaria um outro “antropósofo” a ser observado dentro desta reflexão: os que seguem cegamente tudo colocado por Steiner sem uma concepção real – configurando o aspecto doutrinário da Antroposofia. Isso não é desvalidar a conceituação de Steiner, mas sim, a validar a sua concepção pelo EU e não pelo vislumbre – que é o que exige a própria Antroposofia, pois é uma ciência para a Era da Consciência.

Essa tendência a seguir cegamente (inconscientemente) cada aspecto trazido por Steiner é um reflexo Ahrimânico, descrito inclusive por Steiner, onde as palavras se tornam literais e as pessoas se tornam incapazes de compreender o significado espiritual da Antroposofia, o que configura aquelas que trazem intelectualmente seus conceitos mas são incapazes de trazer vida ao Espiritual da “Ciência do Espírito”. Essa é a Antroposofia morta, estática e cristalizada em conceitos (Ahriman).

Este “Antropósofo” sabe tudo sobre Steiner e a Antroposofia, mas se torna incapaz de trazer sua Luz para a manifestação do Espírito Vivo – correlacionar a Ciência Espiritual com a vida real, com os fatos e acontecimentos do agora, que é o reflexo mais puro da manifestação do Espírito no tempo. Inclusive sua atuação no mundo se torna, muitas vezes, incoerente com a própria Antroposofia, pois ela se tornou apenas conceitual…


Sinta se o conteúdo faz sentido para você ou não para compartilhar:


 AJUDE A MANTER A BIBLIOTECA NO AR:




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *