Vincular uma tarefa ao seu destino


VINCULAR UMA TAREFA AO SEU DESTINO

Leonardo Maia – Desenvolvedor da Biblioteca da Antroposofia

tarefa ao destino2


 “Uma grande angústia tomou conta de mim, porque estava tão decepcionado? Porque acabei vinculando a tarefa ao meu destino… tomei como uma missão a ser realizada. Acreditei que todo esse conhecimento deveria integrar-se ao mundo. Que todos pudessem ter acesso a essa visão, que as crianças pudessem ter o direito de uma educação mais humana, que pudéssemos olhar para o outro de forma mais consciente e compassiva, que tivéssemos uma liberdade de pensamento conectada a valores mais elevados e altruístas…”


Este é um texto muito particular e reflete uma busca individual.

Desde muito cedo, tinha muitos questionamentos sobre a vida, comportamentos, valores, consciência e sobre a estrutura na qual navegamos socialmente. Eram questões como aquelas que guardamos em nossas almas, que não compartilhamos com qualquer um, que se tornam um segredo íntimo.

Essas questões me traziam muitas inquietações e meditava sobre o que era e como funcionava essa grande estrutura que mexia diretamente em algo muito profundo: a vida e nosso padrão de consciência.

Por que tantos aspectos de aparente desequilíbrio dentro de uma manifestação tão bela e fantástica que é a vida? Por que a dita “grande obra de Deus”, o homem, sua “imagem e semelhança” é um ser tão dual? Amor, compaixão, bondade, serviço e doação versus ódio, indiferença, ganância, egoísmo…

Lógico que essas inquietações continuam presentes, mas você aprende a guardá-las um pouco mais fundo, pois a vida segue e temos muitas responsabilidades, necessidades e sonhos. Então nos adequamos um pouco mais ao sistema e meio que aceitamos o que o mundo nos apresenta, buscando dentro dele as melhores opções que estejam mais próximas de nossos anseios.

Mas o que acontece se você não consegue se adaptar? Se suas inquietações continuam tirando seu sono, como se lhe dissessem algo ou mesmo cobrassem uma direção de atuação?

Como conseguir deitar a cabeça tranquilo no travesseiro sabendo que existem pessoas sofrendo às custas da falta de moralidade de outras, crianças passando fome enquanto alguns só se preocupam em aumentar suas fortunas custe o que custar? Governantes que se aproveitam de seus poderes privilegiados para favorecerem seus escolhidos ou apenas a si próprios, vendo suas posições como uma oportunidade para isso. Corporações envenenando nossa mente, nossa comida e nossa saúde, nos fazendo reféns para suprir nossas necessidades, pois somos educados para nos tornarmos dependentes de suas ofertas.

Pergunto, como se tornar insensível a tudo isso? Ou melhor, quero me tornar insensível a tudo isso?

Numa postura individualista talvez eu consiga, pois facilitaria o meu caminhar nesta sociedade tão complexa. Mas e se eu pensar no outro? Sair do egoísmo para o altruísmo? Se eu pensar nas crianças e nas futuras gerações? Em meus próprios filhos? Qual o mundo que gostaria de deixar para eles?

Bom, este turbilhão de sentimentos e questionamentos faz parte de mim e me pergunto: qual é a minha missão, a minha tarefa? Qual o meu destino?

Há alguns anos, conheci a Antroposofia e a Pedagogia Waldorf. Fiquei fascinado pela profundidade e elevação de sua abordagem, mas principalmente por algo fantástico dentro dela: ela transcendia o mundo das ideias chegando a uma esfera de atuação no mundo.

E mais, ela não se encerra em si mesma, muito pelo contrário, ela expande os horizontes e é integradora, fazendo com que percebamos aspectos que não estamos acostumados a ver. De sua abordagem surgiram novas visões em inúmeras áreas como: pedagogia, medicina, agricultura, arquitetura, economia, música, artes em geral, história, gestão, desenvolvimento humano entre outras.

Mas por quê este conhecimento tão elevado está restrito a um número tão pequeno de pessoas? Até mesmo as professores Waldorf, estudantes e pesquisadores da área têm enorme dificuldade de acesso a estes conteúdos…

Então, em uma de minhas noites mal dormidas me surgiu uma inspiração: a criação de uma Biblioteca Virtual da Antroposofia. Me parecia uma grande ideia, facilitar o acesso a esse rico material iria definitivamente ter um impacto positivo na forma de pensar contemporânea.

Mas o que me parecia uma ideia tão boa, logo se apresentou como um grande desafio. Escrevi um projeto e conseguia aprovação pela Lei Rouanet pelo artigo 18 – onde as empresas poderiam abater 100% do dinheiro investido em impostos. Mas para minha surpresa, ninguém se interessou. O projeto perdeu o prazo de captação e eu perdi meu rumo…

Uma grande angústia tomou conta de mim, porque estava tão decepcionado? Porque acabei vinculando a tarefa ao meu destino… tomei como uma missão a ser realizada. Acreditei que todo esse conhecimento deveria integrar-se ao mundo. Que todos pudessem ter acesso a essa visão, que as crianças pudessem ter o direito de uma educação mais humana, que pudéssemos olhar para o outro de forma mais consciente e compassiva, que tivéssemos uma liberdade de pensamento conectada a valores mais elevados e altruístas.

E  como disse Aristóteles:

“Onde meus talentos e paixões encontram as necessidades do mundo, lá está meu caminho, meu lugar.”

Então resolvi fazer por mim mesmo, criar uma estrutura e começar a desenvolver o projeto da Biblioteca Virtual da Antroposofia.

Biblioteca da Antroposofia – Página do Facebook

Biblioteca da Antroposofia – site

Apesar de todas as dificuldades, ela está acontecendo e crescendo. Parece ser verdade o que outro filósofo, o alemão Johann Wolfgang von Goethe disse:

“No momento em que nos comprometemos, a providência divina também se põe em movimento. Todo um fluir de acontecimentos surge ao nosso favor. Como resultado da atitude, seguem todas as formas imprevistas de coincidências, encontros e ajuda, que nenhum ser humano jamais poderia ter sonhado encontrar. Qualquer coisa que você possa fazer ou sonhar, você pode começar. A coragem contém em si mesma, o poder, o gênio e a magia.”

Hoje a Biblioteca possui mais de 175.000 seguidores em sua página no Facebook e um grande volume de visualizações de seus artigos. Se tornou uma das grandes divulgadoras da Antroposofia e da Pedagogia Waldorf e passo a passo vai caminhando em direção ao seu propósito.

Cada vez mais pessoas estão descobrindo a Antroposofia e a Pedagogia Waldorf, as escolas waldorf estão recebendo mais alunos, novas iniciativas surgindo, os pais estão cada vez mais preocupados com o bem estar e o desenvolvimento de seus filhos do que com suas futuras carreiras, os profissionais com visão antroposófica estão sendo mais procurados e isso tem um impacto direto na consciência da sociedade.

Há um longo caminho a percorrer? Sim, e os desafios continuam… muitas vezes me sinto só e angustiado, sem força, me sentindo incapaz de continuar perante as dificuldades. Mas existe um sonho por trás disso tudo e como disse Fernando Pessoa:

“Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso, impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso.”

Por isso continuo. Por isso faço o apelo para as pessoas que veem uma luz e percebem a importância deste trabalho, que ajudem participando da campanha de captação de verba mensal:

Quero ajudar – clique aqui

“Que o meu pensar seja claro, verdadeiro, sem julgamento, ponderado. Que meu sentir seja aquecido, amoroso, com compaixão pelo outro, trazendo a verdade do amor latente em si. Que minha ação seja fiel a uma causa, apaziguadora. Que eu possua a virtude de fazer o bem. Que eu possa ajudar ao outro ser humano e acompanhá-lo. Que eu desenvolva o sentido humanitário e colocar a minha força à disposição da humanidade. Que eu Ilumine com sabedoria os lados negativos ou sombras. Que eu possa ajudar o outro a encontrar suas metas e realizá-las. Que eu acompanhe o destino do outro, ajude-o a encontrar os lados positivos da vida para aproveitar, para um todo maior, as qualidades positivas de cada um.”


ESTAMOS DE VOLTA!!!

A base e os conteúdos estão disponíveis novamente. 

Após o ocorrido, resolvi fazer uma campanha para abrir o acesso e enviar os todos os conteúdos para todos os usuários da Biblioteca. Para isso precisamos de 150 doadores de R$ 50,00 mensais. Se você acha esse trabalho importante e quer ajudar:


Sinta se o conteúdo faz sentido para você ou não para compartilhar:

7 opiniões sobre “Vincular uma tarefa ao seu destino”

  1. Adorei essa leitura! É como se eu conseguisse falar tudo que eu sinto e penso a respeito do meu destino e enseios pela vida. O valor dessa liberdade e consciência que a Antroposofia tem a oferecer para a modernidade na qual vivemos! Muito bom, obrigada…

  2. Leonardo! Coragem é um atributo inerente à sua alma! Coragem é algo que buscamos diarimente, para nos desfazermos de conceitos, pré-conceitos, hábitos e vícios impregnados em nós! Ter se colocado aqui, dessa forma tão despida, te aproxima de cada um de nós que aqui entra para saciar a sede por conhecimento, buscar explicações do que aparenta ser inexplicável , algo em nós no qual nos distanciamos há muito.
    Sua coragem e persistência permite à vc através desse trabalho, projetar o melhor de si e possibilita enxergarmo-nos, aos outros, a vida, o mundo … com mais tolerância e Amor!

Deixe uma resposta para Alan Wolf Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *